quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Noite de um feriado em novembro



            Noite, noite parada de um feriado de segunda-feira de novembro. Tudo muito úmido, o ar frio, mas tudo exsuda. Na 304 norte, num dos prédio com sacadas amplas, quase todas envidraçadas, alguns proprietários ainda preferem o espaço aberto, como nesta varanda suavemente iluminada no terceiro andar. Os jardins transpiram no nível do chão. No terceiro andar, são as copas das árvores, mariposas e insetos, morcegos esvoaçam.
Na varanda do terceiro andar, o silêncio é entrecortado, há conversação, há pausa, riso baixinho. Entre vasos de plantas, afagos no sofá pequeno, um homem e uma mulher, na mesa do canto gelo derretido num copo de uísque, uma taça de vinho pela metade, copos d`água mineral, um cigarro marcado de batom esmagado no centro do cinzeiro, as bocas encontra-se entre os casos que contam um ao outro, as almas aquecem-se no toque recíproco dos amantes.
            No amplexo e no beijo prolongado abrandam as arestas, procuram afastar diferenças. Soltam-se momentaneamente, uma pausa breve. O homem diz então:
            ­— Meu corpo é torpe.
            O da mulher não. Seu corpo construiu-se no espaço dos quarenta e três anos. A curva suave do abdomem, quadril e cintura, coxas e peitos, ombros, impõem a postura altiva e equestre. O arco do pescoço à nuca opõe-se no perfil ao sinuoso que desce da raiz dos cabelos ao nariz, mais largo que proeminente, aos lábios grossos de sorriso aberto em língua e dentes, até o queixo. A pele negra bem tratada, à mulher apraz-lhe a estética sensorial que encontra nas coisas, nos sabores, na cor lilás sobre os lábios ou no verde suave da maquilagem sobre as pálpebras, no tato do tecido e de seus vincos e dobras, nas sombras e na luz feérica do ambiente.
Ela admira com a mesma intensidade, ou mais, ela frui o corpo do homem, então seu homem, o descuidado físico dele, uma dozena de anos a mais que dela, também uma construção, paulatina e cotidiana, realizada sem descanso. Os vincos e dobras desse corpo grisalho lhe agradam, indicam-lhe que esse homem está vivo, e que tudo o que ele mastiga e bebe, que seus convexos, do ventre, das costas, mostram muito de sua presença no mundo, tanto quanto o gesto com que ele lhe toma entre palavras e abraço resoluto, o gesto ousado que ele tem de tomar para si o que deseja.
            O homem tem os pelos dos braços e do corpo grisalhos, na barba e sobrancelhas mostra tufos negros. A pele malhada de sol parece muito clara perto da mulher, o nariz de base larga, curto e reto sobre lábios grossos. O homem é largo e, embora nem os braços sejam longos nem as mão grandes, envolvem a mulher como se ela fosse pequena e ele, muito grande.
            — Mas você aceita uma mulher bem tratada.
            Ele corre as mãos, os dedos, pelos braços dela, toma-lhe do pescoço como se tomasse uma taça, toma da libação de sua boca. Depois disso os corpos se misturam, ele a traz para si, fá-la sentar-se à cavaleiro, movimentar-se. A mulher faz uma pausa, ergue-se, sem movimento brusco, sem abandonar o posto, abre o vestido, desprega o sutiã. Abre-lhe o zíper, libera o membro, apalpa, massageia-o, afasta-se, mas só um pouco. Chupa-o. O homem segura-a com firmeza pelos cabelos da nuca, toma-lhe um seio na mão, fá-la retornar à cavaleiro. Mas não. A mulher se desfaz do vestido, afasta um pouco a calcinha, leva o sexo à boca dele. Então volta-se de costas para ele, senta, cavalga.
            Gemem baixo. Até que a mulher estremece. O homem a exorta. Mas a mulher para. Levanta-se, tira a calcinha, vira-se para ele. Fá-lo tirar a camisa. Frente a frente, torna a sentar, retoma. O homem, com as mãos na carne morena da sua bunda, não deixa que ela cesse. A mulher não cessa. O homem a alcança. Trava-lhe da cintura contra si, geme grosso. A mulher ajuda-se com os dedos, estremece de novo, ou quase. Beijam-se. Agrada à ela o roçar da barba.
Não se despegam. O homem lhe alcança um copo, é a taça de vinho o que ele alcançou, e lhe estende. Antes de devolver a taça, ele pede o que restou. A mulher abre o sorriso.
— Você é também um sensualista.
Desmonta, deita-se sobre ele. Apertados no sofá pequeno e estreito, os braços do homem a envolvem. É fresco, muito úmido o ar que vem de fora. Deixou-lhes, com o calor do movimento, a pele pourejada.
            Uma centopéia sobe o pano do sofá, mariposas pequenas na órbita da lâmpida encandescente, nenhum deles pensa em nada. Concentram-se no mundo sensorial que os cerca. A mulher gostaria de um cigarro, mas aguarda. Lentamente acomodam-se, a mulher fecha o sutiã, veste a calcinha, acerta no corpo o vestido. A mulher acomoda o membro na cueca, fecha a braguilha. Ela tem prazer em fazê-lo. O homem aprendeu a conhecer-lhe o gosto, colabora com a atuação dela.
            Esses prazeres simples que ambos se dão não impedem o incômodo que a individualidade de cada um ordena. A consciência ressalta as diferenças. Afasta deles o cotidiano, a vida comum. Por isso, não conversam sobre a última viagem do presidente Lula, sobre a proposta brasileira de modificar o padrão dólar para o G-20 na Coréia, nem sobre os canteiros e jardins abandonados pelo governo do DF, abandonados tanto quanto, calamitosamente, a rede pública hospitalar. O noticiário foi apagado quando ele chegou.
            Refeitos, sem acordo prévio, sem discussão de relacionamento, com amor, com carinho, despedem-se, na chama do abraço morno, bocas coladas. O homem entra no elevador. A mulher recolhe-se, chaveia a porta.
No térreo, o homem caminha até a entrada da quadra. Uma carroça vem pela pista vazia. O condutor, de súbito, impõe ao cavalo dobrar para a calçada. O bicho curva-se arredio para fora da pista, sacode a carroça, distanciam-se. O homem chega ao ponto, acorda o taxista de plantão.

4 comentários:

  1. Você ta ficando melhor com o tempo, "Alex Príncipe", rsss. Como um bom whisky!

    ResponderExcluir
  2. A cena da vida cotidana. Um flash, o amor rouba a cena e esquenta a alma chuvosa do DF. Gostei, querido. Parabéns.

    Amneres

    ResponderExcluir
  3. Alex, gosto muito do final, de certas passagens, quando você se desaprega daquele trivial que nos une e ressalta um aspecto, o estranhamento de uma dissimulação no sexo... Gostei, mas acho que dá para enxugar. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. você surpreende sempre....deveria aproveitar sua veia sexopoética na elaboração de kinoroteiros....bsb carece de estórias bem narradas.... abs,
    tistu

    ResponderExcluir